sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Historias de Cidadania - Certidão de desembarque

Eu considero muito justo os comunes seguirem as regras apesar de gostar que eles fossem um pouco mais flexiveis.

Hoje estive num comune de um requerente porque o comune onde foi dado a entrada na prática da cidadania pediu para o comune do antenato não só a confirmação do Atto di nascita mas também um comprovante da data de entrada no Brasil. Procedimento esse que está se espalhando entre os comunes, talzez uma forma a mais de prolongar o reconhecimento de mais um cidadão italiano, visto que estamos à beira das eleições e qualquer emigrante dotado de um tico e um teco não votará no Berlusconi. Será que tem algo a ver com isso ou estou delirando?

Bom, tomei o trem e fui até o comune onde me atendeu uma pessoa razoavelmente simpatica que disse que iria verificar se o email do comune já havia chegado (5 semanas depois de ter sido mandado), procurou, procurou , achou, expediu um atto de nascita na hora e disse que não tinha havido tempo ainda (??????) para que os arquvos fossem encontrados para responder às questões do comune.

E disse que essa semana não seria possivel, e talvez dentro de tres semanas, - tres semanas a mais ! e eu não consegui deixar de escapar um oh! de espanto e de decepção. Frente a isso, ela disse que talvez se eu fosse afortunada e esses dados seriam encontrados rapidamente. Pedi aos Céus que sim, que ela tenha realmente se tocado e tenha uma atitude humana e profissional. E que logo logo esses documentos "apareçam" - e olhe que esse é um comune informatizado.

Aconselho a todos que estão nessa maratona da cidadania juntar mais um documentinho, que é a certidão de desembarque. Traduzam e legalizem e isso vai poupar semanas nesse momento que está virando moda pedirem essa certidão, e a menos que eu esteja muito desinformada, anteriormente só o Trento pedia.

2 comentários:

Lea Beraldo disse...

Marli,

Imagine só o caso, não raro, de imigrante que deveria ir à Argentina e errou o porto, ficando em São Paulo, ou outro que aportou na Argentina e depois de algum tempo, Deus sabe como, conseguiu vir para o Brasil. No Comune ficaram as anotações de um destino, que o descendente nem sopita ter existido.
Levar como a certidão de desembarque nesses casos??
Enfim, parece que o objetivo é dificultar mesmo.

Marli disse...

Oi Lea,

Eles não estão pedindo ao requerente brasileiro a certidão de desembarque, mas estão pedindo a informação ao comune do antenato. Eu estou sugerindo que para facilitar quem tiver a certidão de desembarque ou conseguí-la vale a pena trazer porque pode com esse documento cortar um caminho. E talvez facilitar a pesquisa do comune de origem na medida em que se saiba a data de entrada. Mas que isso é uma dificuldade a mais, é! Estão procurando pelo em ovo. Mas vamos aos poucos descobindo onde estão os pelos e deixando o ovo careca de novo.